segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

FELIZ 2019!!!



Apesar dos piores prognósticos para o próximo ano, e os vindouros, em Terra Bananis, com alguns mais otimistas prevendo um retorno a 1964, de trágicas lembranças, e outros, entre os quais me situo, apostando em um atracamento em 1549, ano do desembarque dos primeiros jesuítas, a verdade é que, como afirma um ditado popular, se o estupro é inevitável, relaxe e goze. Deixe o chute no saco prum momento mais apropriado...
Pois então, caro amigo e freguês desta birosca brenfoetílicomusical, que, ao menos, nossa trilha sonora durante esta dolorosa passagem de ano seja a melhor possível. E assim, como já tornou-se tradição por aqui, façam sua esbórnia com as postagens abaixo. Três gêneros que sempre rendem ótimas pistas...
Na dúvida, baixe a porra toda!

E faça de seu Novo Velho Ano, o melhor possível...seja para que século sejamos enviados!



http://2.bp.blogspot.com/-PaW0oHSmBm4/UNPbHp-yLXI/AAAAAAAAFVU/uHtDz6bhpB4/s1600/PARTY+ROCK+LOGO+1.jpg


http://4.bp.blogspot.com/-6tBpt6kXrIE/URBhovniGVI/AAAAAAAAFhs/eJVVUgeGHKQ/s1600/FUNKY+%2770+BOX+SET+front.jpg




segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

SISTER SPARROW-GOLD (2018)


Saído há pouco do forno, após um breve hiato devido à gravidez, o novo trabalho de uma das grandes divas desta birosca brenfoetílicomusical. Como a própria Arleigh Kincheloe, também conhecida por Sister Sparrow, afirma, trata-se de um trabalho extremamente pessoal, quase um disco solo, muito por ter sido gerado impregnado por aquele período de gestação. Além disso, a incursão por uma produção mais antenada com muito bem dosadas texturas contemporâneas, proporciona alguns bons momentos, como a faixa-título, 'Ghost' e 'You're My Party'. Mas a sua face mais retrô continua sendo seu ponto forte, como bem demonstram 'Leave Here Wih Me', 'Can't Get You Off My Mind' e, principalmente, a pérola 'Matter Of Time', em uma interpretação antológica emoldurada por um belíssimo arranjo de cordas.
Uma bolachinha difícil de tirar do player...
Ouviu? Curtiu? Quer mais? É só chegar aqui...



segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

CURTIS HARDING

Resultado de imagem para curtis harding

Uma indicação de Joe Bonamassa não costuma ser recorrente. Portanto, quando ele a fizer, convém, ao menos, uma leve pesquisada. E foi assim que conheci este talento, já quase um quarentão, nascido em Michigan. Filho de um mecânico e uma cantora gospel, daquelas itinerantes, que costumam rodar em vans pelas estradas do sul do USA, parando onde seu canto se torna necessário. E foi esta rotina que Curtis Harding viveu até completar 14 anos, quando a família resolveu sentar praça em Atlanta. Até então, o contato de Curtis com a música secular era, praticamente, nula. Sua irmã mais velha, rapper amadora, foi a responsável por apresentar-lhe o blues, a soul music e o r&b clássicos.
E foi assim que, no início do século, iniciou sua carreira, primeiro através do hip-hop, que o levou a uma bela amizade com Ce-Lo Green, com quem gravou e seguiu em turnê como backing vocal. Em 2008, resolveu aportar em Toronto, impressionado pelas oportunidades da cena local. Revigorado, retorna, pouco mais de 1 ano depois, a Atlanta e forma a Night Sun, com o propósito de proporcionar a fusão de r&b com o garage rock e, mais uma vez, trabalhar e compor com Ce-Lo. A Night Sun chegou até a gravar um single mas o enorme sucesso de 'Lady Killer', álbum de Ce-Lo de 2010, em que atuou e compôs, projetou-o à carreira solo.
E assim nasceu, após 2 semanas de trabalho árduo em estúdio, o álbum 'Soul Power', um poderoso portfólio, impregnado de ótimas canções com um amplo leque de influências, de Marvin Gaye e Curtis Mayfield a B.B. King e Bill Withers. Tudo emoldurado por uma urgente contemporaneidade. Muito bem recebido internacionalmente, com direito a videoclipe produzido por Hedi Slimane, fotógrafa e curadora do Yves Saint Laurent Paris Music Project de 2015, do qual tornou-se o rosto.
Para o segundo álbum, 'Face Your Fear', lançado em 2017, Harding valeu-se de um time de peso, a começar pelo produtor e multi-instrumentista Danger Mouse, que com Ce-Lo -também presente- formava o Gnarks Barkley E os prognósticos confirmaram-se...com sobras.
Atualmente, é headliner em festivais de porte médio e agregou muto prestígio por toda a Europa. Além de abrir para Lenny Kravitz e o já citado Joe Bonamassa que, de certa forma, o apadrinham. 








segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

GOODBYE JUNE-SECRETS IN THE SUNSET (EP/2018)

Mais um discaço dessa galera de Nashville, lamentavelmente, ainda ilustres desconhecidos por aqui. Estou fazendo a minha parte em sua divulgação, desde seu surgimento na cena independente. Em tempos de exaltações a cópias escancaradas de bandas lendárias, que tal experimentar uma que liquidifica todas as suas influências setentistas, de Led Zeppelin e Hendrix a Lynyrd Skynyrd e Allman Bros., para, em um mix com a forte cena alternativa de Kings Of Leon a Black Keys, criar uma ponte muito bem estruturada com sua geração?  
Ouviu? Gostou? Quer mais? É só dar uma chegadinha aqui e sacar o restante da discografia da banda!





segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

THE SOULBREAKER COMPANY-SEWED WITH LIGHT (2018)


EXTRA!!! EXTRA!!!

Novíssimo álbum da banda basca liderada por Jony Moreno e seu timbre personalíssimo, aqui responsável, também, por todos os fantásticos backing vocals, em muitos casos emulando corais eruditos, mas com uma sonoridade única.
Ouviu? Gostou? Quer mais? Tem aqui...